9 de julho de 2012

O mundo e a montanha -

    Era uma vez um mundo, imenso e perdido. Ele tinha uma certa beleza, mas havia um problema: ele era vazio. Um belo dia saiu do seu interior - que esse nem sabia da existência - uma montanha gigantesca, e o mundo se encheu de alegria.                                                                   

    A montanha o tornava completo, e desde o seu nascimento ele sabia que ali era o lugar que ela pertencia, e com isso o mundo mudou de forma, ficou completamente diferente. Porém a montanha não tinha certeza se era ou não viva - afinal, montanhas em geral, são seres inanimados. E não havia absolutamente nada que parecesse ser vivo, a montanha sentia que o mundo era só um outro mundo qualquer, como muitos outros que haviam. Ele sabia que aquela montanha linda e gigantesca, era seu tudo, só que o mundo percebia a tristeza dela, e tentou de todas as formas fazer com que a montanha se sentisse viva, mas nada surtia efeito.  


    Então um dia, a montanha despertou, adquiriu pensamento, aprendeu a andar, e sentia que já não precisava mais do mundo - na realidade o mundo percebeu que não podia prendê-la e resolveu deixa-la livre, pediu um favor a gravidade (mesmo sabendo que ele voltaria a ser vazio) e então a montanha se foi.                                                                   

    Durante alguns meses a montanha se sentiu realmente viva, ia a todos os outros mundos, e as vezes visitava um mundo antigo, velho, que já estava até desgastando a pobre coitada da montanha - e por outras vezes visitava aquele mundo onde ela havia nascido e o mundo se sentia TUDO novamente, mas aquele novo tudo era um pouco mais triste, porque ele ouvia os rumores de que a montanha havia visitado os outros mundos e se sentia inseguro. Ele tinha muito medo que a montanha se perdesse no caminho e nunca mais voltasse a vê-lo.                                                                 

    Depois que passou a ''dose de adrenalina'', a montanha começou a se questionar: - ''porque diabos eu estou viva? porque estou andando? eu sou gigantesca, e tenho toda essa força, mas eu nunca conheci uma montanha que andasse, e muito menos que vivesse sem um mundo'' - ela começou a se sentir sozinha, e lembrava da luta que o mundo enfrentava só para vê-la sorrir. A montanha procurou saber o que poderia tirá-la do mundo e a fazer andar. Os mundo mais novos e vazios não sabiam a resposta, mas os velhos mundos a disseram: ''isso não é muito comum minha filha, mas as vezes precisamos nos sentir livres, e vivos, para ter certeza do que queremos - pelo que já ouvi falar só uma coisa pode ser capaz de fazer isso, o nome dela é gravidade''                                                             

     Então a montanha passou o resto daquele mês procurando a gravidade - se ela podia dar tudo aquilo, ela poderia muito bem levar a montanha de volta ao mundo, mas não como visita, e sim para ''dentro'' dele novamente. Depois de alguns dias a montanha encontrou a gravidade e fez o pedido que almejava. A gravidade disse que poderia ajuda-lá, mas só em partes, a montanha queria voltar e continuar se sentindo viva, mas a gravidade não tinha poder para isso, ela deveria escolher. Como a montanha já se sentia muito sozinha disse que não havia problema algum, e que agora ela sabia que sempre pertenceu ao mundo, e que ser viva não importava mais.                                                             
    Quando ela voltou o mundo ficou muito feliz e surpreso, pois ele já não acreditava mais nos dois, e já tinha quase certeza que a montanha havia se perdido dele para sempre, e que ela provavelmente havia se encontrado no mundo vizinho - que era velho. A montanha explicou ao mundo porque demorou tanto, e contou tudo o que disse, e fez durante aquele período, não havia segredos entre o mundo e a montanha. Ela disse o quão sozinha se sentiu durante todo aquele tempo, e o mundo completou: '' - Você não está sozinha, você simplesmente faz parte de mim, desculpa se fui egoísta e te prendi por tanto tempo, mas eu já sabia que sem você, nesse exato local eu não seria o mesmo e nós não seriamos tudo''                                                              
    A gravidade disse que não poderia fazer com que a montanha se sentisse viva, mas ao contrário, a montanha se sente mais viva do que nunca - ela não perambula mais por ai, mas sabe exatamente que o mundo foi o que ela sempre sonhou e quis durante todo aquele tempo; a questão é que ela não havia encontrado uma maneira de se sentir viva, e agora percebeu que nada faz ela se sentir mais viva do que pertencer àquele mundo, e ser juntos um perfeito TUDO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário