25 de outubro de 2012

Blogs que eu curto.


* Título egocêntrico né?


 Eu sei, eu sei, mas por incrível que pareça não foi ideia minha.

O post de hoje foi um pedido da nossa leitora Fernanda Carrion. Em uma conversa pelo chat do facebook, ela me pediu para montar um post com os blogs onde eu costumo ler: poemas, textos, frases.. enfim, baboseiras sobre amor, que toda menina que se preze adora ler. 
Devo admitir que não são muitos, prefiro ler um livro - ficar em frente uma tela lendo não me agrada nem um pouco.


Então, resolvi indicar os 4 blogs que eu realmente gosto de ler,




A doença do Silêncio é a Fala... - blog do @withcaffeine

Bom, dentre os blog que eu gosto de ler esse é o mais diverso - varia de textos a projetos artísticos.  Vou postar o trecho favorito, de um dos textos favoritos: 


Texto - ANTÔNIA QUE EU NUNCA AMEI (segundo texto do link)

'' Parei pra olhar o rio de cima da ponte e a vi parada, uns metros pra frente, sozinha, concentrada em si mesma há uns nove metros de altura, e no entando o corpo dela estava bem mais alto, atmosférico e curvilínio, magro, branco, doce, sem que se toque os lábios, doce de retina. O cabelo preso, as mãos no parapeito, os seus olhos mortos, parados, castanhos. O cigarro estava no fim e no entanto eu só havia fumado a metade.

-- Tem um cigarro aí, menino?

-- Oi?
-- Desculpa -- Ela se aproximou -- Tem um cigarro?
-- Ah! Putz, não tenho. Esse era o ultimo, desculpa. Mas toma, pode fumar o resto.
-- O ultimo, o resto, a desculpa...
-- Hein?
-- Nada. Nada não. Obrigado -- Tragou o cigarro e me devolveu.
Era o pânico, o corte e a faca, era a agulha embebida em morfina furando a minha pele. Aquele cigarro eram os lábios dela, pálidos, rosados, finos, com gosto de nicotina e saliva. A casa da língua dela era onde eu queria morar -- Tá indo pra onde? -- E assim ela me arrastou de volta à ponte, ao barulho da cidade.
-- Pra casa.
-- Oh! Esclarecedor, sem dúvidas...
-- Desculpe. Pro Bairro das Acácias.
-- Voce sempre se desculpa pelos erros que nunca existiram?
Faz o seguinte, vamos andando, já que só tem esse cigarro aí.
-- Pensei que você estivesse esperando alguém.
-- E estava...
-- Então não seria incomodo eu acompanhá-la?
-- Não. Eu estava esperando alguém com um cigarro, só isso.

Andamos calados até que o cigarro acabou. O que não demorou muito...''


ps: O meu favorito mesmo é o projeto medula, mas ele merece e ganhará um post todo especial e exclusivo - porque eu realmente amei esse projeto do Felippe.


Artur Caneda.. - blog do @arturdotcom

Apesar de só haver um texto no blog pessoal dele, eu simplesmente amei, o jeito que ele escreve, e a intensidade das palavras - enfim.. aqui vai meu trecho favorito:

Texto - A natureza humana

'' "O problema verdadeiro é saber que a perfeição não existe. Mas ela não existir – e por isso eu questionar – faz tanto sentido que é um paradoxo, pois é perfeito. Perfeito, meu amigo, perfeito! Você entende o que eu digo? Sinto-me assustadoramente próximo da perfeição. E se eu estiver? Se estou, e ela não é real, onde afinal eu estou? Se minha realidade é perfeita, mas não existe, o que ela é? O que existe? Meu amigo, eu estou perdido na perfeição. Eu estou perdido!”

Essas palavras me perturbaram… Esse não era o Carlos que eu conhecia! Carlos sempre foi o tipo de sujeito que, entre um bom questionamento e uma certeza imbecil, ficaria com a segunda opção. Sem titubear! (....)

Estaria seu barco afundando? (...)

“Por isso, meu amigo, já não suporto mais carregar sozinho meu terrível segredo. Sei que nunca me perdoará e que fará o possível para que jamais falemos novamente. Sei disso. Tenho a mais absoluta convicção disso. E tenho porque é isso que me define: sou a certeza que criou para suportar sua mediocridade.

“Eu sou você, Carlos. E agora que ambos temos ciência disso, sabemos que o mais fraco de nós sucumbirá.

“Afinal, meu amigo, é a natureza humana”.
''


Urso Congelado.. - Tumblr do @ursocongelado

É um tumblr com poemas bem legais, e de uma intensidade sem tamanho. Todos autoria do Diego Morais -eu particularmente amo. Um dos meus poemas favoritos:

Poema - uma bagana de marbolro apagando na poça dos teus olhos verdes


''Sentimentos mal resolvidos viram chuva de domingo

Restos da valsa do aniversário de 15 anos

Rancor é poça pisada pela solidão.''



Ambivalência Interrompida.. - blog da Gabriella

Eu amo TODOS os textos dela, e não consegui colocar só um trecho, coloquei um texto inteiro de uma vez :$

Texto - Qualquer noite


''Era uma cama estreita e uma noite quente. E era uma moça sem futuro, sem amor, sem confiança, sem casamento. Mas olhava para o lado e via os lábios mais bonitos que a vida já lhe permitira. E imaginava: se dali a dois ou cinco anos se esborrachasse na calçada, despencada do sétimo andar, então tudo bem. Em outros tempos aquele quarto estivera cheirando a sexo. Ainda antes, jasmim. Papéis amassados pelo chão. Garrafas vazias sobre a cômoda. Não agora. 

A menina sorria, numa espécie calmaria até agora desconhecida. Aterrorizantemente momentânea? Aquele era seu mundo. Pacificamente invadido e desbravado. Ali estavam seus livros lidos pela metade, as fotografias, a meninice exposta, os olhos marejados de descrença e o medo de uma fé que surgia. E ela se entregava à escuta, cada toque era como que carinhosamente violento. As cinzas iam se encrostando no fundo das canecas, e ela se aconchegava num abraço, sem estratégias, sem ao menos notar o que fazia. O hálito de café saía no riso de criança que ela esqueceu de esconder. Esquecia de se esconder. E enquanto se mostrava, se descobria. De uma forma assustadora, deliciosamente dolorosa, sentia as paredes de um forte sendo derrubadas ao passo que ia deixando de se vigiar. 

 E uma luz qualquer espreitava pelas frestas da janela''





Nenhum comentário:

Postar um comentário