15 de janeiro de 2013

SAU.DA.DE



Abriu o dicionário para saber o que é que acontecia ali dentro do seu estomago, procurou pela palavra SAUDADE - afinal era essa a explicação mais plausível que recebeu nos últimos meses.

Saudade, s.f. - recordação ao mesmo tempo triste e suave, de pessoas ou coisas distantes ou  extintas, acompanhada do desejo de torna-la a vê-las ou possui-lás; pesar pela ausência  de pessoas queridas; nostalgia; - s: cumprimentos; lembranças afetuosas a pessoas ausente. sau.da.de


Fechou o dicionário e parecia que tudo ainda continuava sem sentido, sem significado - como é que pode algo tão estranho ter u
m nome tão simples: saudade!

Parecia mais um especie de monstrinho que brincava dentro de suas vísceras com um novelo de lã, enrolando e apertando todos os seus órgãos em um cantinho só;  abrindo assim um imenso buraco negro entre o coração e o estômago, um buraco que sugava toda a sua energia.

Porém o que mais a deixava encucada a respeito da saudade é que ela não aparecia sozinha, cada dia que passava uma voz nova saltava de dentro do seu cérebro.  Foi ai que descobriu que existiam infinitos seres pequeninos vivendo ali, tirando-a do sério e fazendo com que ela se afastasse cada vez mais de sua essência - esses seres se chamavam: paranoias. 

~ descobriu também que quanto mais o tempo passava mais alta e ensurdecedora essas vozezinhas ficavam; e era aí que ela perdia a razão ~ 

O monstrinho não brincava mais de apertar as vísceras, a medida que o tempo passava, ele crescia e começava a dilacerar cada pedacinho do estômago; e o coração pobrezinho ficava cada vez mais quietinho - mal pulsava! 

Ela descobriu que aquele monstrinho era alimentado pelo tempo, e que quando ele crescia, só o sorriso de quem se ama podia matá-lo.




- Parecia um Alien dilacerando seu estômago mas era só saudade!






Lorena Raspanti -
Janeiro, 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário